06/12 ~ MPB – A Era dos Festivais

Atendendo a pedidos!
O projeto volta a se apresentar no palco do Teatro Rival em única apresentação!

Sucesso absoluto junto ao público do Rio de Janeiro, tendo realizado mais de 30 apresentações desde a sua estreia, em 2016, atraindo milhares de pessoas nos mais importantes teatros da cidade, o espetáculo “MPB – a Era dos Festivais” celebra o repertório de ouro da Era dos Festivais, que marcou a geração dos anos 1960. Foi quando o país revelou talentos como Elis Regina, Chico Buarque, Milton Nascimento, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Edu Lobo e vários outros. 

Com direção musical do compositor carioca Edu Krieger, a mostra leva ao palco Nina Wirtti, considerada uma “revelação fulgurante” e um dos maiores destaques da nova geração da MPB, em músicas que mantêm sua força no imaginário brasileiro, e oferecem uma resposta de paz e diálogo aos tempos atuais. Arranjos de Marcelo Caldi.

A apresentação revela a atualidade das canções nascidas há cinco décadas e a importância da preservação desse legado, que se tornou referência matriz para toda a produção da MPB desde então.
No roteiro, destacam-se sucessos como “Arrastão” (Edu Lobo e Vinícius de Moraes), “A banda” (Chico Buarque), “Disparada” (Geraldo Vandré e Theo de Barros), “Ponteio” (Edu Lobo e Capinam), “Alegria, alegria” (Caetano Veloso), “Pra não dizer que não falei de flores” (Geraldo Vandré) e “Fio maravilha” (Jorge Ben Jor), entre vários outros. A pesquisa de repertório levou em conta os principais festivais de música realizados nos anos 1960, exibidos pelas TVs Excelsior, Record, Rio e Globo. Destaque para o Festival da Música Popular Brasileira e Festival Internacional da Canção. 

Os arranjos são assinados por Marcelo Caldi, um dos mais reconhecidos da nova geração brasileira. O show “MPB – a Era dos Festivais” revela como as letras e melodias desse repertório calam fundo na alma das pessoas, pois são constituintes de nossa identidade cultural. Ao provocar emoção, também evocam diálogo – um diálogo de gerações, pois os artistas presentes no palco são filhos diretos da geração dos anos 1960. 

Apesar da diversidade temática das canções, é possível notar um traço comum entre os versos, os quais alude a uma espécie de devir-Brasil, um sentimento tácito de otimismo e luta por um país e uma sociedade mais democrática e igualitária. Em seu nascedouro, a MPB embalou um sonho modernista, de unir o Brasil através de sua cultura, num franco diálogo antropofágico. O caráter político, de protesto e conscientização, também é marca do cancioneiro. Destaca-se ainda a excelência musical dos artistas do espetáculo e o envolvimento afetivo com o universo temático, além das intervenções teatrais, buscando aproximar os vários campos da arte.

Ficha Técnica
Edu Krieger – idealização, direção musical, pesquisa, violão e voz
Nina Wirtti – voz 
Marcelo Caldi – teclados, acordeom e voz
Percussão – Fabiano Salek
Sopros – PC Castilho
Sonorização – Fernando Capão
Iluminação – Kátia Barreto
Produção – Fernando Gasparini

Repertório

1. DISPARADA (Geraldo Vandré e Theo de Barros) / DOMINGO NO PARQUE (Gilberto Gil) / ARRASTÃO (Edu Lobo e Vinícius de Moraes)
2. SABIÁ (Tom Jobim e Chico Buarque)
3. PRA NÃO DIZER QUE NÃO FALEI DE FLORES (Geraldo Vandré) / BR-3 (Antonio Adolfo e Tiberio Gaspar) / SINAL FECHADO (Paulinho da Viola)
4. MARIA, CARNAVAL E CINZAS (Luiz Carlos Paraná) / ANDANÇA (Edmundo Souto, Danilo Caymmi e Paulinho Tapajós)
5. CAROLINA (Chico Buarque)
6. TRAVESSIA (Milton Nascimento e Fernando Brant)
7. LAMA SEM ALMA (Edu Krieger)
8. BETO BOM DE BOLA (Sérgio Ricardo) 9. PONTEIO (Edu Lobo e Capinam)
10. RODA VIVA (Chico Buarque)
11. SAVEIROS (Dori Caymmi e Nelson Motta) / FUGA E ANTIFUGA (Edino Krieger e Vinícius de Moraes) / CANTIGA POR LUCIANA (Paulinho Tapajós e Edmundo Souto) 
12. ALEGRIA, ALEGRIA (Caetano Veloso) / PROIBIDO PROIBIR (Caetano Veloso)
13. DOIS MIL E UM (Tom Zé e Rita Lee) / SÃO, SÃO PAULO (Tom Zé)
14. DIVINO MARAVILHOSO (Caetano Veloso e Gilberto Gil) / FIO MARAVILHA (Jorge Ben)

Serviço

Teatro Rival Petrobras – Rua Álvaro Alvim, 33/37 – Centro/Cinelândia – Rio de Janeiro. Informações: (21) 2240-9796. Data: 06 de dezembro (Sexta-feira). Horário: 19h30. Abertura da casa: 18h. Ingressos: R$ 70,00 (Inteira),R$ 35,00 (meia-entrada). Venda antecipada pela Eventim – http://bit.ly/TeatroRival_Ingressos2GIaEKp. Bilheteria: Terça a Sexta das 13h às 21h | Sábados e Feriados das 16h às 21h Censura: 18 anos. www.rivalpetrobras.com.br. Informações: (21) 2240-9796. Capacidade: 350 pessoas. Metrô/VLT: Estação Cinelândia.

*Meia entrada: Estudante, Idosos, Professores da Rede Pública, Funcionários da Petrobras, Clientes com cartão Petrobras